Botox

Foto: Botox
Facial

Mesmo com o surgimento de diversos tratamentos estéticos, a aplicação de toxina botulínica continua em alta. Conhecido por aqui como Botox, nome da primeira marca que o trouxe para o Brasil, a técnica é bem simples, feita por meio de uma injeção e eficaz no combate a rugas. Mas como qualquer outro tratamento, esse também tem suas vantagens e desvantagens.

A toxina botulínica popularmente conhecida como Botox é uma toxina produzida por uma bactéria chamada Clostridium botulinum. É a mesma bactéria causadora da doença botulismo, mas a toxina botulínica industrializada é purificada e usada em doses que não causam a doença. A toxina é aplicada no músculo e provoca o relaxamento da região.

O que é e para que serve?

Além da função estética, alguns estudos mostram resultados positivos do tratamento por botox em pacientes com paralisia - quem tem os músculos muito rígidos. Uma vez sob efeito da toxina, a camada muscular relaxa, o que facilita o tratamento e reduz as dores decorrentes das contrações excessivas.

A toxina também pode ser usada para reduzir o bruxismo - excesso de contração das mandíbulas. Já o ácido é usado para suavizar rugas estáticas ou profundas e repor o volume e contorno em áreas que sofrem com o envelhecimento, como as maçãs do rosto e a mandíbula. Além disso, é comum o preenchimento labial.

Qual a durabilidade do Botox?

A toxina botulínica é aplicada com uma agulha muito fina e seus efeitos são notados entre 3 a 7 dias após a aplicação. Os resultados duram entre 4 a 6 meses, e depende de paciente para paciente.

O procedimento é feito por médicos esteticistas com o uso de anestésico tópico para que você não sinta dor. Tempo de aplicação leva em média de 20 minutos.

O botox substitui a cirurgia plástica?

A toxina botulínica pode ser um adjuvante de uma cirurgia plástica. Não poderá substituí-la.

Perda da expressão em decorrência do uso de botox

Se for utilizada uma dose excessiva pode haver certa perda de expressão, que será revertida com o tempo. Mas se aplicada por profissionais competentes esse risco é bem menor. O uso frequente da substância não provoca perda da expressão.